Fotógrafo Empreendedor

Fotógrafo só tira foto? Um breve relato de bastidores

Ser fotógrafa é muito bom. Eu amo! Mas confesso que fotografar não ocupa metade das minhas atividades. Sei que isso é realidade para a maioria dos fotógrafos. Mas nem sempre foi assim. De todo jeito, posso afirmar: fotógrafo faz mais que tirar foto.

Comecei minha carreira no laboratório de fotografia da faculdade. Lá eu cortava , rebobinava e revelava filme. Além disso, ampliava fotos. E claro, fotografava muito. Na época, ainda usava filme. Portanto, fotografar muito era usar um filme de 36 poses em um final de semana. O que são 36 cliques hoje em dia?

O laboratório foi uma época muito boa, um tempo de importante aprendizado. A fotógrafa Marta Carneiro, coordenadora do laboratório na época, foi uma importante professora. (Todo mundo do laboratório adorava a Martinha!) Ela incentiva muito o estudo sobre a fotografia e a experimentação. Sempre indicava livros e buscava referências para explicar as dúvidas.

Depois do laboratório, entrei na era digital, quando fui contratada para trabalhar na assessoria de comunicação do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). O setor de fotografia estava passando por algumas mudanças e inovações. Era o momento de implementar o banco de imagens. Nessa época, meu trabalho era atender todas as pautas do TJMG, chegar no computador para tratar as fotos e organizá-las nas pastas certas. Posteriormente, foi implementado um sistema para organização dos arquivos.

O Tribunal foi meu primeiro emprego. Sempre lembro com muito carinho desse lugar e das pessoas com as quais convivi. A equipe de comunicação era muito boa, acabei fazendo grandes amizades por lá. Nessa época aprendi o quanto era importante a troca de informações entre jornalista e fotógrafo. Eu passei a acompanhar as entrevistas dos personagens ou saía com o assessor para acompanhar a apuração. Assim eu podia oferecer uma fotografia que iria enriquecer ou contextualizar mais a matéria.

Meu outro emprego como fotógrafa foi na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). Quem fala que servidor público não trabalha é porque não sabe do trabalho da assessoria de comunicação da ALMG. Lá funciona de domingo a domingo, desde cedo até tarde da noite. Foi uma época que cliquei muito. Eram muitas viagens e muitos eventos para registrar. Teve um dia que voltei para sala de edição e só me dei conta que tinha saído dos plenarinhos quando liguei o computador. Pelo volume de serviço, estava trabalhando no “piloto automático”.

Mas não estou fazendo críticas ou reclamando da Assembleia. Pelo contrário. Quando sai desse emprego, a gerente de imprensa, Raquel Furtado, me disse algo bem certo: “Aqui é muito trabalho, mas esse batidão ensina muito!”. Verdade! Era muito trabalho, eu precisava ser muito produtiva e ter bons resultados. Estar com pessoas exigentes é muito bom para elevar o nível do serviço prestado.

Na Assembleia, já havia um banco de imagens implementado há mais tempo que no Tribunal. Os processos estavam bem definidos e isso possibilitava deixar o maior tempo possível do trabalho dedicado a fotografar. O que era muito importante pelo volume de pautas. Lá, além de fotografar os eventos e tratar as imagens, eu precisava anotar todas as informações técnicas dos acontecimentos (data, nomes e cargos das pessoas fotografadas, local, nome do evento, entre outros detalhes) para indexar o arquivo de cada imagem.

Da ALMG para o Inhotim. Para quem não conhece, é um grande complexo que abriga arte contemporânea e jardim botânico. Um lugar que já admirava antes de trabalhar e foi questão de grande orgulho fazer parte da equipe. O instituto, apesar de gigantesco aos olhos dos visitantes, é uma empresa relativamente pequena. Lá, além de fotografar, eu precisava organizar todo o acervo de fotografias. Ainda estava sendo estudada a possibilidade de criar um banco de imagens.

O agendamento de pautas e questões administrativas do setor de fotografia eram feitas por mim também. Eu aproveitei o máximo de tempo que tinha para fotografar bastante. O jardim do instituto é exuberante, acabei montando um portfólio bem interessante com imagens de natureza. Na época, fui convidada pelo meu querido professor Mozahir Salomão a expor algumas fotos na Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas). Fiquei lisonjeada com o convite e muito feliz com a exposição. Foi incrível!

Passei quase dois anos no Inhotim e senti que precisava produzir coisas novas. Estar lá era muito bom, entretanto, eu viajava todos os dias 120 quilômetros para trabalhar e precisava dedicar metade de todos os finais de semana e, pelo menos, um dia de cada feriado para estar no instituto. Acabei ficando sem tempo e energia para outros projetos.

A solução foi arriscar e pedir demissão. Em julho de 2015, tornei-me microempreendedora individual (MEI) para atender demandas de coberturas fotográficas de empresas. E hoje, percebo que isso é o mínimo que posso fazer. Que ainda há muita demanda para ser atendida e é preciso produzir e entregar mais do que arquivos de imagem digital.

Atualmente, faço mais reuniões, escrevo mais, planejo e negocio durante mais tempo do que os momentos em que estou fotografando. Isso porque sai do lado de estar empregada e passei a empreender. Revisão de agenda, negociação de taxa nos bancos, planilhas de gastos e rendimentos, tratamento, organização e compartilhamento das imagens, prospecção de clientes e atualização das redes sociais são algumas das atividades que fazem parte da minha rotina.

Sair para fotografar para algum cliente é o resultado de todo um processo, uma construção de valores e relacionamento. E o resultado da fotografia, a imagem produzida, é o fruto da experiência de vida até aquele momento do clique. Tudo de bom e de ruim irá influenciar no recorte do quadro. Portanto, por isso e por tudo que contei, posso afirmar: o fotógrafo faz mais que tirar fotos.

Então, para todo mundo que pensa em mudar de carreira para se tornar fotógrafo, aconselho que pense em tudo isso. Achar que a vida vai ser “só fotografar”, poderá lhe causar grande frustração. E você vai acabar sobrevivendo de fotografia, ao invés de viver dela.

Para mim, foi uma ótima escolha e decisão. Tenho muito a aprender e ainda muito trabalho por vir. Fico muito feliz por toda experiência que já passei (boa ou ruim), tudo faz parte da construção.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s